Os casais vivem uma época de supervalorização do sexo no discurso, mas na realidade vivenciam falta de tempo para o relacionamento, correria, investimento de tempo e espaço para amigos, trabalho, filhos, compromissos sem fim, tudo menos sexo!

Muitos relatam baixa sintonia do casal, baixa estima, sentimentos de menosvalia, cobranças, depressão, insegurança psicológica e física, ansiedade, sentimentos de solidão e assim por diante.

Fatores contextuais e psicológicos podem influenciar o erotismo de maneira impressionante. O erotismo faz parte de uma das fases da Resposta Sexual Humana, a fase do desejo. Se estes aspectos relacionados acima estiverem presentes, irão influenciar na capacidade de erotizar a relação conjugal e sexual, afastando ainda mais o casal.

O desafio para os casais é utilizarem sua capacidade de cuidarem da relação e do cônjuge de maneira inteligente. É lançar mão da Inteligência Erótica, ligada ao bem-estar físico, psicológico e sexual do casal.

O que significa isso?

Muitos casais têm Inteligência Erótica e esta consiste em identificar o que não está bem para o casal e buscar alternativas. Desafiar-se a sair da rotina, “dançar” com tema da Sexualidade e do Erotismo, pois a dança põe em movimento. Significa voltar a cuidar do relacionamento.

Dependerá da capacidade de conciliar a necessidade de segurança e previsibilidade com o desejo de buscar o que é empolgante, misterioso e assombroso. Para alguns casais isso não é um desafio, eles conseguem facilmente harmonizar, não há dissonância entre compromisso e brincadeira.

A Inteligência Erótica não é necessariamente uma competência sexual.

“O ato sexual não pode ser o único objetivo. O erotismo é o sexo transformado pela nossa imaginação, e isso está além da cama – tem a ver com quem eu sou, com a identidade de cada um. Tem a ver com descobrir como é possível manter a novidade, a curiosidade e o espírito explorador dentro de um relacionamento duradouro”. Perel

A Inteligência Erótica pode ser desenvolvida e prevenir que o casal caia em armadilhas que normalmente não percebe e identifica. Relacionamento conjugal é investimento, cumplicidade, admiração e confiança.

Os relacionamentos não se cuidam sozinhos, quem cuida são as partes interessadas.

O casal que desenvolver sua Inteligência Erótica será capaz de buscar ajuda mostrando sua capacidade de reinventar-se, de cuidar do seu relacionamento e sua vida sexual. Sem este cuidado, a Inteligência Erótica adormece e o relacionamento se fragiliza.

Barbara Juliana Ahlert Schneider CRP 07/08704
Psicóloga, Psicoterapeuta de Casais e Sexóloga – Idealizadora da Inteligência Erótica.